Direitos no emprego durante a gravidez


Conheça quais são os seus direitos no emprego durante a gravidez e pós-parto. 1 – Dispensa por riscos específicos
Por recomendação médica, tem direito a uma dispensa por riscos específicos, resultantes das condições de trabalho ou da realização de trabalho nocturno:
A grávida, durante o período de gravidez; A mulher que tenha sido mãe recentemente, por um período de 120 dias após o nascimento; A mulher que esteja a amamentar, durante o tempo de amamentação. Deve informar a entidade patronal com, pelo menos, 10 dias de antecedência, apresentando atestado médico que indique a duração previsível da licença. Nestas situações, a mãe tem direito a receber: Subsídio por riscos específicos

2 – Dispensa de trabalho para consultas e aulas de preparação para o parto
A grávida tem direito a dispensa do trabalho para consultas durante a gravidez, e para as aulas de preparação para o parto, pelo tempo e número de vezes necessários. O pai tem direito a três dispensas do trabalho para acompanhar a mãe nas consultas.
Caso as consultas ocorram no horário de trabalho, devem informar a entidade patronal, com a devida antecedência e, posteriormente, apresentar a justificação.

3 – Dispensa de trabalho nocturno
A mãe tem direito a não trabalhar no turno da noite, entre as 20:00h de um dia e as 07:00h do dia seguinte:
Durante a gravidez, mediante apresentação de atestado médico; Durante 112 dias, antes e depois do parto, sendo que pelo menos 56 dias devem ser gozados antes do parto; Durante todo o tempo que durar a amamentação, mediante apresentação de atestado médico.Deve informar a entidade patronal com, pelo menos, 10 dias de antecedência. Sempre que possível, deve-lhe ser atribuído um horário de trabalho diurno. Se tal não for possível, será dispensada do trabalho, nos termos da licença por riscos específicos e tem direito a receber: Subsídio por riscos específicos

4 – Licença por risco clínico durante a gravidez
A grávida tem direito a não trabalhar, caso existam complicações médicas com a gravidez, pelo tempo considerado necessário pelo(a) médico(a). Deve informar a entidade patronal, através de atestado médico que indique a duração previsível da licença, com a antecedência de 10 dias ou, em caso de urgência, logo que possível. O gozo desta licença não prejudica a licença parental, a que o pai e a mãe têm direito. Nestas situações, a mãe tem direito a receber: Subsídio por risco clínico durante a gravidez

5 – Licença por interrupção da gravidez
Em caso de aborto, espontâneo ou voluntário, a mulher tem direito a uma licença de 14 a 30 dias, de acordo com recomendações médicas. Deve informar a entidade patronal, logo que possível, através de atestado médico que indique a duração da licença. Nestas situações, a mãe tem direito a receber: Subsídio por interrupção da gravidez

6 – Dispensa prestação trabalho suplementar
A mulher não é obrigada a trabalhar horas extraordinárias:
Durante a gravidez; Até aos 12 meses de idade da criança; Enquanto durar a amamentação.

7 – Dispensa do trabalho em regime de adaptabilidade
Têm direito à dispensa do trabalho organizado de acordo com o regime de adaptabilidade, de banco de horas ou de horário concentrado:
A grávida, durante o período de gravidez; A mulher que tenha sido mãe recentemente, por um período de 120 dias após o nascimento; A mulher que esteja a amamentar, durante o tempo de amamentação; O pai e/ou mãe, durante o tempo da aleitação.

8 – Protecção em caso de despedimento da grávida
O despedimento, individual ou colectivo, de uma grávida necessita sempre do parecer prévio da CITE – Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego, que o deverá emitir em 30 dias, a pedido da entidade patronal.
Caso não exista parecer, o despedimento torna-se nulo e só pode ser decretado com uma sentença do Tribunal.

9 – Protecção em caso de não renovação do contrato da grávida
Caso a entidade patronal pretenda não renovar o contrato de trabalho da trabalhadora grávida, deverá comunicar o motivo da não renovação do contrato, à CITE – Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego, no prazo máximo de cinco dias úteis.

10 – Licença e faltas para assistência a netos (as)
Os avós têm direito a faltar até 30 dias seguidos, após nascimento de neto(a), filho de adolescente com idade até 16 anos, que viva com eles. Estes dias podem ser partilhados entre eles e são gozados em substituição do pai e da mãe da criança. Nesta situação, têm direito a um subsídio no valor de 100% da sua remuneração de referência.
Os avós podem, ainda, faltar, em substituição dos pais da(s) criança(s), para prestar assistência inadiável e imprescindível a neto(s), nos casos de doença, acidente de neto(s) menor(es), deficiência ou doença crónica (independentemente da idade da criança). Nesta situação, têm direito a um subsídio no valor de 65% da sua remuneração de referência.
Devem informar a entidade patronal com, pelo menos, cinco dias de antecedência, mediante apresentação de atestado médico.
Subsídio por assistência a neto

11 – Atendimento prioritário
A mulher grávida ou com crianças de colo tem prioridade no atendimento nos serviços públicos e entidades particulares. Para tal, deve procurar aos balcões, filas ou senhas especiais para este tipo de atendimento.


One Response to Direitos no emprego durante a gravidez

  • A trabalhadora grávida tem direito a ser dispensada de prestar trabalho entre as 20 e as 7 horas durante (a) um período de 112 dias antes e depois do parto, dos quais pelo menos metade antes da data prevista para o parto e durante (b) o restante período de gravidez se for necessário para a sua saúde ou para a saúde do nascituro.Sempre que não seja possível atribuir horário diurno compatível, a trabalhadora é dispensada do trabalho, com direito a subsídio.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>